A CADA QUAL A LINGUAGEM QUE LHE CABE – Deneli Rodriguez

Um dia um swami chamado Muktananda estava caminhando ao redor do ashram em que vive e percebeu bem próximo da porta de entrada um homem que lhe disse: você é um swami, tem um ashram, tem que me dar dinheiro para eu sobreviver, sou apenas um mendigo.

– Deneli Rodriguez – Atriz, pensadora e especialista em saúde, bem-estar e qualidade de vida. Formada em Relações Internacionais, Semiótica, Filosofia, Artes Cênicas, Moda, Ayurveda e Yoga. É criadora do Yoga na Paulista, dá aulas, palestras, cursos e consultas. Atende presencialmente em São Paulo e virtualmente em todo o mundo. Ensina a Filosofia do Autoconhecimento Profundo através do “isso é só um pensamento seu, não é a verdade, não é a realidade”. É pesquisadora da mente e da psicologia humana, bem como do funcionamento, criação e comportamento do Universo. Está escrevendo seu primeiro livro, um guia de qualidade de vida.

Muktananda lhe respondeu que poderia lhe dar comida, roupas e abrigo, mas que não daria o dinheiro. O homem respondeu que não queria nada, só o dinheiro, pois queria viajar para mendigar.

Muktananda pediu gentilmente ao homem que se afastasse dali, o homem então começou a xingar, esbravejar, praguejar, disse que ele tinha obrigação de ajudar porque era uma pessoa rica e religiosa, que ele queria dinheiro e que ele tinha que lhe dar.

O swami, mais uma vez, pediu gentilmente que o homem se fosse e ele mais uma vez disse aos gritos, e em meio a várias ofensas, que só sairia dali quando o swami lhe desse o dinheiro que ele queria. Então o swami pegou uma vara bateu no homem e junto com os seus discípulos começaram a cavar um buraco.

Um dos discípulos perguntou o porquê de estarem cavando e o swami respondeu: como por quê? Vamos enterrar esse homem vivo!

Nesse momento o homem implorou que o soltassem e disse que nunca mais diria que alguém tem obrigação de lhe dar o dinheiro que quer e que sairia imediatamente dali. Assim foi feito.

Quando você entra em contato com alguém, deve ser capaz de ver se essa pessoa possui ou não consciência de igualdade. Se ela possuir, você pode explicar-lhe o modo correto de proceder, mas se não, você tem que tratá-la de outro modo. Deve igualar-se a ela, para que ela possa compreender o que está fazendo. A cada qual a linguagem que lhe cabe.

O valor que uma pessoa dá aos outros depende de seu próprio valor. Seja qual for a atitude que ela tenha, é assim que vê, é assim que procede.

As pessoas tornam-se o que são de acordo com a sua atitude mental e é essa atitude que projetam para o mundo.

Deneli Rodriguez.

28.09.2016.

Related posts

One Thought to “A CADA QUAL A LINGUAGEM QUE LHE CABE – Deneli Rodriguez”

  1. Paula Helena

    Muito bom! Acho que tem a ver com as pérolas aos porcos do cristianismo…

Leave a Comment